segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Curiosidades sobre Mario Quintana


Um dos grandes da literatura brasileira, o “poeta das coisas simples”.
Aqui oito curiosidades sobre Mario Quintana.

1) Conhecido como o “poeta das coisas simples”, o escritor possuía um estilo marcado pela ironia, perfeição técnica e profundidade.

2) Quintana também fazia as vezes de tradutor: foram mais de 130 obras da literatura universal, tais como: “Em Busca do Tempo Perdido”, de Marcel Proust, “Mrs Dalloway”, de Virginia Woolf, e “Palavras e Sangue”, de Giovanni Papini.

3) Mario Quintana foi expulso do Hotel Majestic, no centro de Porto Alegre, pois o jornal onde trabalhava, o Correio do Povo veio à falência. Ironicamente, anos mais tarde, o local transformaria-se na famosa “Casa de Cultura Mário Quintana”.

4) O primeiro livro foi publicado quando Mario tinha 34 anos, embora já fizesse versos desde pequeno.

5) Dentre tantas obras, as de maior destaque são: Canções, 1945; O Aprendiz de Feiticeiro, 1950; Quintares, 1976; O Baú de Espantos, 1986; dentre outros.

6) Manuel Bandeira dedicou-lhe um poema, onde se lê:

Meu Quintana, os teus cantares
Não são, Quintana, cantares:
São, Quintana, quintanares.

Quinta-essência de cantares…
Insólitos, singulares…
Cantares? Não! Quintanares!

7) Lança seu primeiro livro de poesias, A Rua dos Cataventos, em 1940. Assim, tem início sua carreira de poeta, escritor e autor infantil.


8) Uma de suas conquistas foi a publicação de Antologia Poética, no ano de 1966, com sessenta poemas, organizada por Rubem Braga e Paulo Mendes Campos, e lançada para comemorar seus sessenta anos de idade.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Nietzsche para estressados - 06

As pessoas que nos fazem confidências se acham
 automaticamente no direito de ouvir as nossas

OS JORNALISTAS SABEM QUE informação é poder. Por isso é importante medir o que dizemos e, sobretudo, a quem dizemos.

     Às vezes encontramos pessoas que rompem imediatamente o protocolo e nos transformam em parte integrante de suas vidas. Mas o que pode ser entendido como um ato de confiança também envolve riscos: quando nos transformam em seus confidentes, esses indivíduos nos incluem em seu círculo íntimo e nos obrigam a acompanhar sua evolução pessoal. Dito de outra forma: nós nos transformamos em espectadores forçados de um mundo pessoal que até então desconhecíamos.
 
   Além da pressão gerada por ouvir confidências, há o perigo do qual nos previne Nietzsche: o outro pode estar esperando de nós uma atitude de confiança semelhante para, assim, completar o círculo iniciado por ele.
  

    Por tudo isso, é importante sermos cuidadosos ao escutar – reservando o entusiasmo para as pessoas mais íntimas – e ainda mais cuidadosos ao falar. 



Extraído do livro "Nietzsche para estressados" de Allan Percy.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Os Melhores Poemas de Vinícius de Moraes - 03 - Soneto de Contrição

Sobre o poeta Vinicius de Moraes escreveu Carlos Drummond de Andrade: “Vinicius é o único poeta brasileiro que ousou viver sob o signo da paixão. Quer dizer, da poesia em estado natural. Eu queria ter sido Vinicius de Moraes”.

Vinicius de Moraes nasceu no Rio de Janeiro em 19 de outubro de 1913, e morreu na madrugada de 9 de julho de 1980, aos 67 anos, devido a problemas decorrentes de uma isquemia cerebral.

Os poemas selecionados foram publicados nos livros “Cinco Elegias”, “Poemas, Sonetos e Baladas”, “Novos Poemas”, “Novos Poemas (II)” “Pátria Minha”, Livro de Sonetos” e “Antologia Poética”.

Soneto de Contrição

Eu te amo, Maria, eu te amo tanto
Que o meu peito me dói como em doença
E quanto mais me seja a dor intensa
Mais cresce na minha alma teu encanto.
Como a criança que vagueia o canto
Ante o mistério da amplidão suspensa
Meu coração é um vago de acalanto
Berçando versos de saudade imensa.
Não é maior o coração que a alma
Nem melhor a presença que a saudade
Só te amar é divino, e sentir calma…
E é uma calma tão feita de humildade
Que tão mais te soubesse pertencida
Menos seria eterno em tua vida.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Neil Young - Powderfinger (video created by Black Balloon)


Look out, Mama, there's a white boat comin' up the river
With a big red beacon, and a flag, and a man on the rail
I think you'd better call John,
'Cause it don't look like they're here to deliver the mail
And it's less than a mile away
I hope they didn't come to stay
It's got numbers on the side and a gun
And it's makin' big waves.

Daddy's gone, my brother's out hunting in the mountains
Big John's been drinking since the river took Emmy-Lou
So the powers that be left me here to do the thinkin'
And I just turned twenty-two
I was wonderin' what to do
And the closer they got,
The more those feelings grew.

Daddy's rifle in my hand felt reassurin'
He told me, "Red means run, son, numbers add up to nothin'"
But when the first shot hit the docks I saw it comin'
Raised my rifle to my eye
Never stopped to wonder why.
Then I saw black,
And my face splashed in the sky.

Shelter me from the powder and the finger
Cover me with the thought that pulled the trigger
Think of me as one you'd never figured
Would fade away so young
With so much left undone
Remember me to my love,
I know I'll miss her.


Dedos de Pó

Olhe Mamãe, há um barco branco vindo pelo rio
Com um grande farol vermelho, e uma bandeira, e um homem no trilho
Eu acho que é melhor você ir chamar o John,
Porque parece que ele não está aqui para entregar o correio
E está a menos de uma milha de distancia
Eu espero que ele não tenha vindo para ficar
Há números no lado e uma arma
E está fazendo ondas gigantes

Papai se foi, meu irmão está caçando nas montanhas
O grande John tem bebido desde que o rio levou Emmy-Lou
Então os poderes que me deixaram aqui para fazer a meditação
E eu apenas acabei de fazer vinte e dois
Eu estava imaginando o que fazer
E quanto mais próximo eles estão,
Mais aqueles sentimentos crescem

O rifle de papai em minhas mãos sentiu-se reconfortante
Ele me disse, "vermelho significa correr, filho, números não levam a nada"
Mas quando o primeiro tiro atingiu as docas eu o vi vindo
Levantei meu rifle para meu olho
Nunca parei para imaginar por que
Então eu vi tudo preto
E minha face salpicada no céu

Abrigue-me do pó e dos dedos
Cubra-me com o pensamento que puxei o gatilho
Pense em mim como alguém que você nunca imaginou,
Desapareceria tão jovem
Com tanta coisa deixada inacabada
Lembre-me ao meu amor

Eu sei que vou sentir falta dela.

domingo, 24 de setembro de 2017

Adoniran Barbosa & Elis Regina - Tiro ao Álvaro


De tanto levar "frechada" do teu olhar
Meu peito até parece sabe o quê?
"Taubua" de tiro ao Álvaro
Não tem mais onde furar

Teu olhar mata mais do que bala de carabina
Que veneno estriquinina
Que peixeira de baiano
Teu olhar mata mais que atropelamento de "artormove"
Mata mais que bala de "revorve"

C E N S U R A ??? (*)

Adoniran Barbosa usava em suas canções o jeito coloquial de falar dos paulistanos. Não querendo problemas com a censura, em 1973 o artista decidiu lançar um álbum com várias canções já gravadas na década de cinquenta.
Inesperadamente, cinco das suas canções foram vetadas, mesmo não sendo inéditas. Diante da linguagem coloquial de “Samba do Arnesto” (Adoniran Barbosa – Alocin), que trazia nos seus versos “O Arnesto nos convidou prum samba/ Ele mora no Brás/ Nóis fumo/ Num encontremo ninguém/ Fiquemo cuma baita duma réiva/ Da outra veiz nóis num vai mais (Nóis num semo tatu)”, o censor só liberaria a música se ele regravasse cantando assim: “Ficamos com um baita de uma raiva/ Em outra vez nós não vamos mais (Nós não somos tatus)”. Na letra da música “Tiro ao Álvaro” (Adoniran Barbosa – Oswaldo Moles), a censora faz um círculo nas palavras "tauba", "revorve" e "artormove", concluindo que a "falta de gosto impede a liberação da letra".

Para que pudessem ser aprovadas, “Samba do Arnesto” e “Tiro ao Álvaro”, teriam que virar “Samba do Ernesto” e “Tiro ao Alvo”. Tiveram o mesmo destino "Já fui uma brasa" (Adoniran Barbosa Marcos César), “Eu também um dia fui uma brasa. E acendi muita lenha no fogão" e "O Casamento do Moacir" (Adoniran Barbosa - Oswaldo Moles), "A turma da favela, convidaram-nos para irmos assistir o casamento da Gabriela com o Moacir". "O Casamento do Moacir” foi considerada de “péssimo gosto” pela censora Eugênia Costa Rodrigues.

Diante da censura, Adoniran Barbosa não mudou a sua obra, deixou para gravar as músicas mais tarde, quando a burrice já tivesse passado.

domingo, 17 de setembro de 2017

A troca e a gratidão


O egoísmo exagerado vem do amor excessivo a si mesmo, gera doentia ganância e vaidade supina, alimentada crescentemente por um processo de narcisação, o que raramente se encontra na feira pública, comprando batata doce, porque o vaidoso não vai ao mercado para comprar batata, atitude, considerada pelas suas idiossincrasias, completamente vulgar ou praticada pelas pessoas simples, modestas, não vaidosas. O comércio que ilustra tais “criaturas” é o do ouro, dos luxuosos automóveis ou dos caros imóveis… Também porque o comércio é uma troca, e tais indivíduos não gostam de permutar seu poderoso dinheiro por coisas tão ralés, banais como raízes: inhame, macaxeira ou batata. Ora, não gostam de pagar, porque se acham merecedores de tudo sem dar um tostão em troca… Ou consideram qualquer benefício, que venha de outrem, como meramente um cumprimento do dever ou que tudo lhes advém por mérito. E quando muito, erradamente pensam que a gratidão é uma troca, um “toma lá e me dá cá”; são os mesmos que dizem: “Melhor do que dinheiro no banco é ter amigo na praça”, também deturpando o sentido da amizade. E assim, são naturalmente uns ingratos, vítimas da sensibilidade anormal, embora eles se diagnostiquem completamente normais…

O altruísmo vem do amor aos outros, a outrem, que percebe que aquilo que recebe não era seu, a partir do grande benefício que a vida nos dá, o que proporciona, como prazer, fazer bem aos outros sem exigir agradecimentos. Sobre isso não precisamos citações de cunho religioso, budista ou cristão. Já dizia o filósofo Nietzsche sobre essa sensibilidade normal: “A alma delicada se sente mal quando sabe que receberá agradecimentos”. Porém, essa alma vive a agradecer a magia da vida, benefícios, dádivas recebidas. Há quem liste o que deve retribuir ou agradecer. E quanto mais agradece, mais é grato, mais é feliz. 

O egoísta narciso ou anormalmente enamorado de si mesmo não precisa de lista dos benefícios recebidos, também não chega a esquecê-los, tão somente acha que “aqueles benefícios” já eram seus, está apenas a receber dívidas, o que já lhes pertencia, nada agradece porque tudo merece… E quanto mais é ingrato, mais é infeliz. Se, algum dia, sentir um surto de sã consciência, sofrerá uma dor: o dever da gratidão; Nietzsche filosofa também o outro lado da normalidade: “Uma alma grosseira se sente mal quando sabe que precisa agradecer a alguém”.

Nietzsche para estressados - 05

Quem fica remoendo alguma coisa
se comporta de maneira tão tola
quanto o cachorro que morde a pedra

     O VALOR DO QUE FAZEMOS ou sentimos só pode ser determinado em função de sua utilidade. Se alguma coisa pode ser alterada no presente, vale a pena investir nisso todo o nosso esforço. O problema, como disse Nietzsche, é quando algo que fizemos no passado nos consome, algo que não podemos corrigir.

     Esta é a opinião do mestre vietnamita Tich Nhat Hanh:  

“Quando pensamos no passado podemos experimentar sentimentos de arrependimento ou de vergonha, e, ao pensar no futuro, sentimentos de desejo e medo. Mas todos eles surgem no presente e o afetam. Quase sempre, o efeito que nos causam não contribui para nossa felicidade nem para nossa satisfação. Temos que aprender a evitar esses sentimentos. O mais importante é saber que o passado e o futuro se encontram no presente e que, se nos ocuparmos do presente, seremos capazes de transformar o passado e o futuro.”
  
       Por isso, em vez de morder uma pedra, é melhor pensar no que fazer aqui e agora, com o que temos, para assim melhorar nossa vida.



Extraído do livro "Nietzsche para estressados" de Allan Percy.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Os Melhores Poemas de Vinícius de Moraes - 02 - Pátria Minha

Sobre o poeta Vinicius de Moraes escreveu Carlos Drummond de Andrade: “Vinicius é o único poeta brasileiro que ousou viver sob o signo da paixão. Quer dizer, da poesia em estado natural. Eu queria ter sido Vinicius de Moraes”.

Vinicius de Moraes nasceu no Rio de Janeiro em 19 de outubro de 1913, e morreu na madrugada de 9 de julho de 1980, aos 67 anos, devido a problemas decorrentes de uma isquemia cerebral.


Os poemas selecionados foram publicados nos livros “Cinco Elegias”, “Poemas, Sonetos e Baladas”, “Novos Poemas”, “Novos Poemas (II)” “Pátria Minha”, Livro de Sonetos” e “Antologia Poética”.

Pátria Minha

A minha pátria é como se não fosse, é íntima
Doçura e vontade de chorar; uma criança dormindo
É minha pátria. Por isso, no exílio
Assistindo dormir meu filho
Choro de saudades de minha pátria.
Se me perguntarem o que é a minha pátria direi:
Não sei. De fato, não sei
Como, por que e quando a minha pátria
Mas sei que a minha pátria é a luz, o sal e a água
Que elaboram e liquefazem a minha mágoa
Em longas lágrimas amargas.
Vontade de beijar os olhos de minha pátria
De niná-la, de passar-lhe a mão pelos cabelos…
Vontade de mudar as cores do vestido (auriverde!) tão feias
De minha pátria, de minha pátria sem sapatos
E sem meias pátria minha
Tão pobrinha!
Porque te amo tanto, pátria minha, eu que não tenho
Pátria, eu semente que nasci do vento
Eu que não vou e não venho, eu que permaneço
Em contato com a dor do tempo, eu elemento
De ligação entre a ação e o pensamento
Eu fio invisível no espaço de todo adeus
Eu, o sem Deus!
Tenho-te no entanto em mim como um gemido
De flor; tenho-te como um amor morrido
A quem se jurou; tenho-te como uma fé
Sem dogma; tenho-te em tudo em que não me sinto a jeito
Nesta sala estrangeira com lareira
E sem pé-direito.
Ah, pátria minha, lembra-me uma noite no Maine, Nova Inglaterra
Quando tudo passou a ser infinito e nada terra
E eu vi alfa e beta de Centauro escalarem o monte até o céu
Muitos me surpreenderam parado no campo sem luz
À espera de ver surgir a Cruz do Sul
Que eu sabia, mas amanheceu…
Fonte de mel, bicho triste, pátria minha
Amada, idolatrada, salve, salve!
Que mais doce esperança acorrentada
O não poder dizer-te: aguarda…
Não tardo!
Quero rever-te, pátria minha, e para
Rever-te me esqueci de tudo
Fui cego, estropiado, surdo, mudo
Vi minha humilde morte cara a cara
Rasguei poemas, mulheres, horizontes
Fiquei simples, sem fontes.
Pátria minha… A minha pátria não é florão, nem ostenta
Lábaro não; a minha pátria é desolação
De caminhos, a minha pátria é terra sedenta
E praia branca; a minha pátria é o grande rio secular
Que bebe nuvem, come terra
E urina mar.
Mais do que a mais garrida a minha pátria tem
Uma quentura, um querer bem, um bem
Um libertas quae sera tamem
Que um dia traduzi num exame escrito:
“Liberta que serás também”
E repito!
Ponho no vento o ouvido e escuto a brisa
Que brinca em teus cabelos e te alisa
Pátria minha, e perfuma o teu chão…
Que vontade de adormecer-me
Entre teus doces montes, pátria minha
Atento à fome em tuas entranhas
E ao batuque em teu coração.
Não te direi o nome, pátria minha
Teu nome é pátria amada, é patriazinha
Não rima com mãe gentil
Vives em mim como uma filha, que és
Uma ilha de ternura: a Ilha
Brasil, talvez.
Agora chamarei a amiga cotovia
E pedirei que peça ao rouxinol do dia
Que peça ao sabiá
Para levar-te presto este avigrama:
“Pátria minha, saudades de quem te ama…
Vinicius de Moraes.”

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Reminiscências (*) 25

Há quem nunca vá me entender.

Eu odeio, no fundo, toda a moral que diz: "Não faças isto, não faças aquilo. Renuncia. Domina-te ..." 

Gosto, pelo contrário, da moral que me leva a fazer uma coisa, a refazê-la, a pensar nela de manhã à noite, a sonhar com ela durante a noite e a não ter jamais outra preocupação que não seja fazê-la bem, tão bem quanto for capaz entre todos os homens. 

A viver assim despojamo-nos, uma a uma, de todas as preocupações que não têm nada a ver com esta vida: vê-se sem ódio nem repugnância desaparecer hoje isto, amanhã aquilo, folhas amarelas que o menor sopro um pouco vivo solta da árvore; ou mesmo nem sequer se dá por isso, de tal modo o objetivo absorve o olhar, de tal modo o olhar se obstina em ver para diante, não se desviando nunca, nem para a direita, nem para a esquerda, nem para cima, nem para baixo. 

"É a nossa atividade que deve determinar o que temos de abandonar; é atuando que deixaremos", eis o que amo, eis o meu próprio placitum!!! 

Mas eu não quero trabalhar para me empobrecer mantendo os olhos abertos, não quero essas virtudes negativas que têm por essência a negação e a renúncia.

(*) Segundo Platão, "lembrança do que a alma contemplou em uma vida anterior, quando, ao lado dos deuses, tinha a visão direta das ideias”.

sábado, 26 de agosto de 2017

Não Te Amo Mais - Clarice Lispector



Não obstante haver controvérsias sobre esse poema ser ou não uma obra de Clarice Lispector, o que vale é a beleza do mesmo e sua criatividade, independente da verdadeira autoria.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

A Conciliação e o Enforcamento

 
Certa feita, numa sessão na Justiça do Trabalho, as partes conversavam no sentido de conciliar o feito.


Mesmo que as tratativas girassem em torno de quantias irrisórias (digamos 100 reais nos dias atuais), o reclamado encontrava-se irredutível.


As partes acabaram conciliando o feito e, enquanto o magistrado ditava ao escrivão os termos do acordo, o reclamado preenchia o cheque.


O juiz ditava:


- O reclamado paga nesse ato a quantia de R$ 100,00 (cem reais)...


Entretanto ao passar o cheque para o reclamante, o réu comenta:


- Agora tu pega esse cheque e compra uma corda para te enforcar, seu vagabundo!!!


Com o que o juiz continua narrando ao escrivão:


- (...) a quantia de R$ 100,00 (cem reais) que são pagos pelo reclamado a título de gastos pela compra da corda do enforcamento do Autor e mais R$ 100,00 (cem reais) pelo acordo travado entre as partes.


O juiz determinou que o sujeito fizesse o outro cheque no mesmo valor e, apesar do reclamado ter se revoltado, foi orientado por seu advogado que preenchesse o outro cheque e não abrisse mais a boca até a retirada do recinto.


O magistrado em questão tratava-se do Dr. Cláudio Armando da Silva Nicotti 
da 5ª. Junta de Conciliação e Julgamento de Porto Alegre - RS, meu pai.

O Estagiário e o Juiz

 
Era meados dos anos 80, uma tarde de primavera e eu aguardava minha audiência, sentado dentro da sala onde as mesmas ocorriam, assistindo as sessões que antecediam a minha.

O juiz era novato. Havia recém sido empossado. Pior!!! Além de não ter sido um frequentador assíduo no judiciário trabalhista, não tinha ainda, muita simpatia por estagiários. Havia um tratamento diferenciado.        

Em outras palavras: tratava-os com um certo desprezo.

Após o pregão e a presença das partes já devidamente sentadas em seus lugares à mesa, o juiz questiona o representante do Autor (que trajava uma calça jeans, camisa verde, boina ao estilo Che Guevara, calçando alpargatas):        

“- O senhor é advogado ou estagiário?

E o rapaz prontamente lhe responde:

“- Estagiário, Excelência!

E o magistrado, de forma jocosa (com ares de deboche) e sorrindo, assim reage:

“- Hummmm, estagiááárioo é???

Intrigado e surpreso com o comportamento do juiz, o rapaz imediatamente lhe questiona (eis que sabedor da resposta):      

- Vossa Excelência é o novo Juiz Presidente da Junta ou Substituto???

O magistrado, com toda a inocência do mundo aliada a uma felicidade (com ares de superioridade) responde:

“- Sou o novo Juiz Substituto!!!

O estagiário, num comportamento idêntico àquele expressado pelo juiz, ou seja, em tom jocoso, debochado e sorridente, reage:

“- Ahhhh!!! Substituto é???

Quase que instantaneamente, um famoso e renomado causídico, militante há mais de 20 anos (isso na época), um verdadeiro “macaco-velho”, que aguardava sua audiência ao meu lado, largou uma sonora gargalhada o qual tentou segurá-la com a mão, o que só veio a dar mais comicidade ao ocorrido, pois à medida em que ele se retirava do recinto, mais ecoava seus risos.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

7 “fatos” científicos que aprendemos errado na escola

O que você viu no colegial não vale mais para os cientistas.

Não é segredo que a educação científica no Brasil é problemática. A triste verdade é que a maioria dos brasileiros não aprende direito, não ganha gosto pela ciência e acaba esquecendo o pouco que aprendeu, para acabar se apegando a velhas crenças que são fáceis de explicar.
O problema talvez esteja mais no método que no conteúdo. Porque nosso currículo não é muito diferente do resto do mundo. E aí a gente topa em outros probleminhas: a ciência avança mais rápido que os livros didáticos, que tendem ao que é “seguro” e acabam refletindo consensos de décadas atrás.
Então, mesmo se você não está na maioria, e gosta e entende ciência, talvez ainda acredite em algumas coisinhas passadas na escola que nenhum cientista defende hoje. Veja só:

 

1. Os cinco sentidos

Tato, olfato, visão, audição, paladar. O clássico quinteto existe, mas você já ouviu falar em propiocepção? É nossa capacidade de saber onde está cada parte do corpo, sem precisar ver ou tocar. Dor e temperatura, outros sentidos óbvios, ficam na pele, mas não tem nada a ver com tato. Equilíbrio fica na orelha interna, mas não é audição. Você também tem sensores diferentes para notar que o pulmão, bexiga, estômago e intestinos estão cheios e percebe quando seu sangue está com pouco oxigênio, quando prende a respiração. Temos até mesmo um GPS no nariz.
Então, quantos sentidos existem? Bom, aí a porca torce o rabo. Na verdade, não é tão fácil assim definir o que é um sentido. Podemos chamar nossa percepção da passagem do tempo, sem nenhum órgão associado a ela, de sentido? No fim das contas, há quem fale em mais de 20 sentidos.
A certeza é que são mais de 5. Isso foi ideia de Aristóteles, há mais de dois milênios. Aristóteles é um pai da ciência, mas já passou da hora dos livros didáticos procurarem seu próprio apartamento.

 

2. A língua tem áreas diferentes para sabores, e eles são quatro

Ainda nessa de sentidos, talvez você se lembre do famoso mapa da língua, mostrando que o órgão tem partes separadas para detectar quatro sabores: salgado, doce, azedo e amargo.
Pra começo de conversa, são cinco. Também existe o umami (algo como “delicioso” em japonês), descrito em 1908 pelo cientista Kikunae Ikeda. Faz todo sentido, porque não tem outro nome: é aquela sensação de água na boca vinda do queijo, tomate, bife e – a inspiração de Ikeda – o dashi, caldo japonês de peixes e algas usado em ensopados. O sabor indica a presença de glutamatos, produzidos por seres vivos, e também vendido, na forma sintética, no Aji-No-Moto, criado um ano depois da explicação de Ikeda.
Os cinco sabores são percebidos da mesma forma na língua inteira. Não existem as áreas. O erro vem de 1901 por meio de um estudo falho que, por algum motivo, colou mesmo assim. Desde 1974 está provado que não tem nada a ver.
Outra coisa: o que chamamos de sabor (veja lá atrás a controvérsia dos sentidos) é mais percebido pelo nariz do que pela língua. Laranja e maçã tem tanto doce como azedo, mas parecem completamente diferentes, graças às suas propriedades químicas detectadas no nariz. E também à sua textura, percebida pelos sensores de pressão (tato) na língua.

 

3. As cores primárias são amarelo, vermelho e azul

Segundo as aulinhas de educação artística, misturando amarelo, vermelho e azul, podemos obter todas as cores. E você não pode obtê-las misturando nenhuma outra cor. Pura balela.
As verdadeiras cores primárias são ciano, magenta e amarelo. Simplesmente não dá para fazer qualquer cor com vermelho e azul. E dá para fazer azul com ciano e magenta e vermelho com amarelo e magenta. Qualquer um que já recarregou uma impressora deve ter percebido: as tintas vêm nessas três cores, e não nas do guache com que você sujou os dedos na terceira série.
Só que isso não é tudo. Essas são as cores primárias substrativas. Mas existe outro tipo de cores primárias, as aditivas.
Quando a gente fala em tintas, misturá-las é remover cores. Como ensinado na escola, a luz branca contém todas as cores. Quando ela reflete num material pintado, volta com menos cores (que percebemos como uma só). Quando você pinta uma parede branca de azul, o que está fazendo é impedir que ela reflita as outras partes do espectro luminoso. Misturando tintas, você reduz quais partes da luz branca são refletidas. O resultado é que, se você juntar as três cores primárias subtrativas, o resultado é preto, e não branco.
O branco é a união de todas as cores de forma aditiva. E podemos produzir cores dessa forma emitindo luz. Se você acender uma luz vermelha e outra verde, o resultado é amarelo, e não o marrom desagradável produzido ao se misturar tintas da mesma cor. Isso porque estamos ampliando o espectro luminoso ao adicionar mais partes dele à uma emissão de luz. Dessa forma, as cores primárias aditivas são azul, vermelho e verde. De fato, é assim que seus olhos funcionam: eles tem receptores para essas três cores.
As cores primárias erradas vem da Renascença, quando os pigmentos eram limitados. Desde o século 19 sabemos que não é assim.

 

4. Existem 3 estados da matéria

Sólido, líquido e gasoso, certo? Mas o que dizer do plasma, em que os elétrons se separam de seus núcleos, criando algo que parece gás, mas conduz eletricidade e pode ser controlado por campos magnéticos? Ou o cristal líquidocom propriedades tanto de sólido quanto de líquido, que também está na sua TV, mas não nos livros didáticos? E ainda o superfluidoum material que tem zero viscosidade, e corre para cima quando posto num recipiente?
Assim como no caso dos sentidos, existem muitos outros estados da matéria. A maioria deles só existe em condições raras e extremas, observados apenas em laboratório. Então, para simplificar, lembre-se pelo menos do plasma, que é comum, existe na natureza (no Sol e em raios) e é fácil de explicar: basta aquecer qualquer gás imensamente ou expô-lo a uma grande corrente elétrica.

 

5. Existem 9 planetas no sistema solar

Essa é manjada para quem vem acompanhando as notícias nos últimos anos. Plutão não é mais planeta. Então temos 8. Mas você sabe por quê? Veja abaixo o tamanho de diversos corpos celestes do sistema solar:
Plutão é menor que nossa Lua, e várias outras luas do Sistema Solar. Também é menor que Eris um “planeta” que não é ensinado na escola. E Tritão, uma lua de Netuno que, acredita-se, um dia foi um planeta anão livre. Se Plutão fosse um planeta, então eles também teriam que ser, e teríamos 11 planetas no sistema solar.
Como os astrônomos acham que podem existir dezenas de objetos como eles ainda não descobertos no Cinturão de Kuiper (área do Sistema Solar para além da órbita de Netuno, que inclui Plutão), eles preferiram criar a categoria de “planetas anões” no lugar de ficar mudando toda a hora a contagem de planetas.
Não tem um tamanho certo pra ser anão. Basta não ser grande e ter gravidade o suficiente para “limpar sua órbita”, isto é, fazer com que todos os objetos em sua órbita se tornem satélites, caiam no próprio planeta, ou sejam desviados para longe. Nossa órbita, por exemplo, é limpinha: tudo que havia no caminho hoje forma a Terra e a Lua.

 

6. Um átomo tem essa aparência

É tão bonito e clássico que mesmo agências científicas continuam a usá-lo. Mas completamente furado. O átomo das ilustrações, tão icônica que é um símbolo da ciência, é baseado no modelo atômico de 1911 de Ernest Rutherford. Ele imaginou os elétrons como planetas orbitando uma estrela.
Mas muita coisa aconteceu depois disso. Dois anos depois, Niels Bohr desenhou a coisa como os elétrons orbitando em diferentes níveis energéticos, que ficou mais parecido com o sistema solar:
Esse modelo é ensinado e cobrado em vestibulares. Só que a carruagem andou. Em 1927, Werner Heisenberg (sim, o ídolo de Walter White) postulou o princípio da incerteza. Que diz que é impossível se saber a posição e movimento exatos de um elétron. Então um átomo, na verdade, é formado por uma nuvem de elétrons. Eles podem estar em qualquer lugar nessa nuvem e podemos saber apenas a probabilidade de estarem em um lugar ou outro. Assim:
O que, vamos convir, não tem graça nenhuma. Vamos abrir uma licença poética aqui e continuar a usar o átomo bonito de antigamente em bonés, tatuagens e camisetas. Porque amamos ciência, Sr. White!

 

7. As cinco classes dos vertebrados

Peixes, mamíferos, aves, répteis e anfíbios. Parece moleza, não? Répteis têm escamas e vivem na terra; anfíbios não têm nada; mamíferos têm pelos; aves têm penas; peixes são os que respiram embaixo d’água, podendo ser ósseos ou cartilaginosos.
Você pode classificar os bichos pelas aparências. Foi o que o naturalista sueco Carl Linnaeus – nosso amigo Lineu – fez em 1735, após dar uma volta ao mundo observando os bichos, como Charles Darwin faria um século depois. Essa foi a primeira vez que mamíferos ganharam nome. Antes disso, eram simplesmente chamados de animais.
Mas fazer o que Lineu fez hoje em dia é meio que como dizer que um prédio é um tipo de caixa de sapatos porque ambos são retangulares. Desde Darwin, o que interessa não é como os bichos parecem, mas quais descendem dos mesmos ancestrais.
Lá atrás, há 3,7 bilhões de anos, no começo da vida, há um só ancestral para você, os cogumelos e as bactérias no iogurte. Bem mais recentemente, entre 5 a 9 milhões de anos, dependendo de a quem você perguntar, está o ancestral em comum entre você e o chimpanzé.
Então o que temos é uma árvore que vai se dividindo conforme uma espécie vai dando origem a outras, e assim por diante. Podemos dar nome ao que vem depois de um galho em particular, e isso faz sentido: todos os mamíferos descendem de um ancestral comum, por exemplo. Essa Lineu acertou.
A coisa complica com as aves. Se você olhar na árvore, vai ver que o galho delas descende dos dinossauros, que são répteis. Por si só, isso não seria um problema. Poderíamos muito bem fazer uma linha de corte aí e dizer que os dinossauros que sobreviveram são todos aves. O caso é que outras coisas que chamamos de répteis estão mais perto das aves que de outros répteis. Veja a encrenca:
Jacarés são parentes mais próximos das galinhas que eles são das tartarugas ou lagartos. Então, das duas, uma: ou aves são répteis, ou répteis não existem. Tartarugas, lagartos e cobras, e crocodilianos são cada um sua própria classe.
A solução mais moderna é extinguir as classes Aves e Reptilia e usar no lugar a Sauropsida, que inclui todos os répteis, incluindo dinossauros, e aves. Em bom português: esqueça os répteis. Cobras, jacarés e tartarugas são ramos diferentes do mesmo galho em que estão os urubus.
A verdade é que a velha classificação de Lineu é cada dia mais obsoleta. A árvore da vida é complicada demais para ela. Ao invés de falar em reinos, classes, ordens, famílias etc., os cientistas preferem hoje falar em clades, classificações mais flexíveis, sem hierarquia definida.

Publicado no site Super Interessante
Por Fábio Marton
1 ago 2017, 20h11 - Publicado em 2 dez 2015, 17h30